14 de nov de 2010

A Galinha

                   


                        Ciscando a própria carne
                        A galinha se equilibra
                        Sobre plana solidão

13 de nov de 2010

  Considerações sobre o voluntário ato de viver

                                               
                                                                    
          
      Nunca percebo o passar do tempo através do relógio, o percebo somente pela alternância da intensidade e direção da luz, ou pelo comportamento metódico de um pássaro ao caminhar no dia. Aprendi antes de tudo contemplar o tempo e a conseqüente transformação de sua incessante passagem.
  Sei agora que, alinhando-me a ele em total cumplicidade de esforço, o forço a se contemplar criando o espaço - tempo me permitindo existir produzindo de forma plena e saudável os alimentos que julgo serem fundamentais para meu bem viver; o pensar, o sentir, o fazer, o amar e o ser amado.
                                                                                 
        Não pretendo obter razão sobre circunstância alguma, pretendo sobre tudo ser feliz, dedicando meu tempo de indefinida duração nas atividades do fazer pleno. Sinto-me hoje mais velho que o tempo, e ser feliz “penso eu,” é sentir o tempo passar de forma  favorável, me possibilitando dedicar desfrutando da arte do viver bem.

         A razão a meu ver subsiste apenas circundada a situações das quais poucas, ou quase sempre nenhuma delas fazem sentido. Sobre as situações, ou melhor, dizendo,as ações nas quais me dedico por inteiro a razão não existe, pois não ha razão de existir.
        Pois se no ato de amar a razão existir, ele, o amor será razoável.
        Se para que o FAZER exista, seja preciso uma razão para tal, esse fazer deixará de existir, e o máximo que poderá ocorrer será a EXECUÇÃO razoável de uma tarefa mental, sentimental ou física, em processo contrario ao FAZER pleno de espontânea consciência.
        Todo desrespeito traz consigo a razão ancorada nas costas, assim como todo desamor traz consigo uma razão marcada no peito. Pois se para que o amor exista a razão não necessita existir,  para que o desamor exista basta apenas que a razão esteja ao teu lado.

   
             



4 de out de 2010

Luto Tributo

               
                    Minha arte é um luto tributo
                    Dedicado aos mortos
                    E aos vivos que amo

1 de out de 2010

Eu

                 
                        Sou como um foguete
                        Necessito cair ou sair de órbita
                        Pois a atmosféra me é estreita

31 de ago de 2010

Choro de cão

                            
                           
                            Faz-se ouvir
                            O choro do cão
                            Deixando a sorte
                            Na lata de lixo
                           

30 de ago de 2010

Palavra deitada

                     A palavra goza deitada
                     Quando por mim friccionada
                     Contra o plano papel

29 de ago de 2010

Photofobia

        
            É preciso explodir o espaço amarelo
            Arrancar-lhe com fúria a barba branca
            Recriando o negro espaço infinito 

27 de ago de 2010

Lady Fruit

              Doces olhos de jabuticaba
              Ponteiam-lhe a face pêra
              Envolta à linda boca moranga
              Formando mágico abismo cítrico

25 de ago de 2010

Usura para Ezra Pound

          
             Sacrifica-te por nada filisteu infeliz
             O suor da usura brota-lhe à face
             Fazendo só minguar-te a vida
             Em infindas gotas de sofrimento

24 de ago de 2010

Você

                     Tua pele carvão é verde
                     Teu coração pedra é vivo
                     Já tua boca mole é surda

22 de ago de 2010

Doce de Mel

                      Abelhuda gruta de leite
                      Ao zumbir-me a boca
                      Faz doce favo de mel

21 de ago de 2010

Latifúndio


                      Pobre latifúndio inanimado
                      Morreste arado de fome
                      Cercado de sede

19 de ago de 2010

ManjArte

CRUCIAL                                                    
                           
                          
                         COGNIÇÂO           
             

                                                        INTUITIVA

Eu sem Mim

                
                 De egoísmo sem igual
                 Eu faço tudo solitariamente
                 Pois se possível fosse
                 Sem mim o faria também

17 de ago de 2010

O Frio da Puta

                                        
                                           PUTA
                                              FRIO
                                        TRINCA
                                              ferro
                                        MOLE
                                              POSTO
                                        BROXA
                                              PERNA 
                                          BAIXO
                                                                        

Inferno paradiso

                     
                     No inferno paradiso
                     A vara uiva à degola
                     Por draga boca negra


 

16 de ago de 2010

Aventura-te


         Aventura-te a mão sobre meu corpo
         O fazendo girar em abruptos rodopios
         Desnorteando-lhe ao sul da cama

15 de ago de 2010

Feminino


           Que santo fizera tão teso milagre
           De sorriso boca a boca beija-flor
           Bochecha rosada de azul carnaval
           Em Fina flor de seda branca
           No paraíso imaginário do sol

Poesia sonâmbula para Emiliano 7


                 Sonambulamente vidrada
                 A poesia extravasa
                 Se esvaindo à janela
                 Deixando-me a sós

Mundo


          Oh mundo imundo e cruel
          Tua tarde sobre mim se escalda
          Chegando a ferir-me os olhos
          Tua noite de  intenso frio por
          Horas a fio desafia  minha sorte
          E tua manhã não da trégua à tortura
          Pois é nela, meu mundo imundo e cruel
          Que você desperta.

Filho da Rã

          
           Nasceu corno, viúvo e cansado
           Morto de insuportável tédio
           Era sapo, o coitado
           Nascido de uma Rã safada
           Que adorava pererecar.

Minha lágrima


                     Minha lágrima
                     Chora um rio
                     De rosa cor
                     Cor de rosa 
                     Cor de rio
                     Cor de dor

14 de ago de 2010

Para Iracema


         Preciso ficar silenciosamente noite
         Nua deitada sobre o vento manso
         Ladeada apenas de escura clareza

Capitão Capital



             O livre arbítrio 
             Regerá tua fé
             Fedelho frouxo
             Não se medre 
             Diante a  lança do diabo
             Nem ante o espinho da coroa de cristo
             Deverá temer acima de tudo
             O desafeto do Capitão Capital
             Seja dele fiel companheiro
             E ele lhe  protegerá
             O céu será teu 
             E o inferno de outro

Insônia


                  Ontem acordei noite
                  Meu sono fora perdido
                  Um vento farpado arava o céu
                  Onde o sol adormecia frio

Anal



      Cutuco-lhe a bunda com lânguida língua
      Para que ela sacanamente grite;
      Entre encolhido calado sem bater
      Se ajeite de forma folgada 
      Pregando teus versos de prazer

Matança


                   No templo do horror
                   O grito sai mudo
                   A garganta cortada
                   A faca no peito
                   O corpo no leito
                   Se deixa levar

Princesinha medrosa


             Moro na  poli do medo velado
             Coexisto entre burros burgueses
             Onde devo sempre evitar a razão

A visita

             Com a verdade entre os dentes
             O sorriso sombrio bateu-me à porta
             Exalando cheiro de carne morrida
             Sentou-se confortável sobre o nada
             E serviu-me uma dose de medo azul